2 de set de 2012

E Aí... Comeu? e À Beira do Caminho


O tempo passa e acabo esquecendo ou ficando sem tempo de comentar alguns filmes que assisti, então vou comentar esses dois filmes brasileiros nesse mesmo post.


"E Aí... Comeu?" é uma comédia divertida, baseada em peça de teatro de Marcelo Rubens Paiva. O filme tem bons diálogos e algumas cenas divertidas, principalmente aquelas em que o trio principal de atores: Marcos Palmeira, Emílio Orciollo Neto e Bruno Mazzeo, conversam num bar sobre suas vidas amorosas e sexuais. As conversas divertidas e que parecem não levar a lugar nenhum são o melhor ponto do filme. Na tentativa de adaptar a peça de teatro para o cinema, o roteiro procurou criar histórias românticas para os seus personagens, que soam caretas comparadas às conversas de bar. A pior história é com certeza a que envolve uma suposta traição de Dira Paes com o marido Palmeira. De qualquer forma, o filme vale pelas cenas divertidas que apresenta que, ao contrário de algumas comédias brasileiras recentes, não são apelativas. Aliás, falar de sexo sem ser apelativo é realmente algo a se valorizar.

Cotação do Janela Indiscreta: * * *





"À Beira do Caminho" é um filme de Breno Silveira (responsável pelo sucesso "2 Filhos de Francisco") que lembra muito o inesquecível "Central do Brasil", de Walter Salles. No filme de Silveira, um caminhoneiro amargurado (João Miguel, ótimo como sempre) tem que conviver com um menino, que irá transformar sua vida e amolecer seu coração. O filme consegue emocionar em alguns momentos, conta com um ótimo elenco (em que se destaca também Dira Paes) e a trilha sonora é pontuada por músicas de Roberto Carlos (não sei dizer exatamente se aqui isso é um ponto positivo ou negativo, pois as músicas não acrescentam muito aos momentos emotivos do filme). É um filme competente, um road movie com boas locações pelo Brasil (incluindo até minha querida Chapada Diamantina) mas nada imperdível.

Cotação do Janela Indiscreta: * * *




8 comentários:

  1. sobre "À Beira do Caminho" comentei com um amigo q lembrava Central do Brasil, porém Fernanda conseguiu criar um lanço afetivo com o menino de uma maneira q o João Miguel não conseguiu.

    ResponderExcluir
  2. Oi, David. Eu acho que ele conseguiu construir o laço sim (lógico, guardadas as devidas proporções, porque a interpretação de Fernanda é sensacional), para mim o problema não está tanto na interpretação e sim no roteiro, que aqui não possui as diversas camadas e sensações criadas em "Central do Brasil".

    ResponderExcluir
  3. Poderia ser um filme só, sobre pedofilia... E aí, comeu à beira do caminho?

    ResponderExcluir
  4. Achei os dois filmes fraquinhos... tá faltando imaginação, criatividade e ousadia no cinema nacional. Saudade de Estômago... esse sim, um ótimo filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como os filmes são muito demorados, caros e complicados de fazer, há o medo de errar, porque há muito dinheiro e tempo envolvido. Cria um monte de artistas produzindo obras certinhas, porém medianas. Mas o cinema nacional possui boas obras, poderiam ser muito mais, se não fosse esse medo de errar.

      Excluir
    2. E se os diretores não ficassem indo pra Hollywood fazer filmes menores e que qualquer diretor faria... Acho que eles deviam permanecer aqui e fazer grandes filmes nacionais.

      Excluir
    3. Olha, não condeno não. Entre ficar aqui e demorar anos para conseguir realizar um projeto, demorar na fase de captação e na hora de lançar o filme, ter uma bilheteria pífia (como foi o caso do Xingu, por exemplo, que deixou muita gente decepcionada), e poder ir para o exterior, acho que eu também iria para Hollywood.

      Excluir