25 de out de 2011

Meu País



O filme a história de uma família desmembrada tentando se reunir, a partir da morte do pai. O drama poderia ser bem mais comovente, mas opta por um registro mais contido, que para mim não agradou. Quando o filme resolve realmente explorar o drama, já perto do seu final, encontra melhores resultados, mas aí já está perto do fim. Rodrigo Santoro e Débora Falabella estão muito bem, já Cauã Reymond tem que lidar com um personagem meio estereotipado, que poderia ser melhor desenvolvido.

Minha Cotação: * * *



Crítica Cineweb

06/10/2011
http://www.cineweb.com.br/filmes/filme.php?id_filme=3501
Diretor de curtas e um documentário, André Ristum estreia na direção de um longa de ficção com o premiado Meu País, que recebeu no Festival de Brasília deste ano troféus de melhor diretor e ator (Rodrigo Santoro), entre outros. O longa joga seu foco sobre a classe rica, seus dramas e problemas, na figura de um trio de irmãos.

Marcos (Santoro) mora na Itália e volta quando o pai (Paulo José) morre. Nesse retorno, reencontra não apenas o irmão, Tiago (Cauã Reymond), mas também descobre que tem uma meia-irmã com deficiência intelectual, Manuela (Débora Falabella), que vive numa clínica. É um retrato melancólico que Ristum faz dessa família toda desestruturada, da qual Marcos deverá ser o novo eixo, embora ele tenha planos de voltar para a Europa.

O ‘país’ do título é mais metafórico do que físico – é quase um estado de espírito que os personagens buscam. Seria a conciliação, o equilíbrio da família. O caminho para chegar até lá é tortuoso e nem sempre a narrativa ajuda. O título, por sua vez, causa estranhamento porque o país da elite vista no filme pouco se parece com o Brasil que conhecemos.

Contido em excesso, sente-se falta de um pouco mais de calor no trato com os personagens e seus dramas, que muitas vezes beiram o melodrama. A contenção das emoções dos personagens é até certo ponto compreensível – afinal, eles têm dificuldade de expressar o que sentem. Mas o filme em si poderia ser um pouco menos frio, trazer um pouco mais de calor humano às cenas. Debora se destaca numa personagem complicada que, em mãos menos talentosas, correria o risco de cair na caricatura
Alysson Oliveira


FICHA TÉCNICA
Diretor: André Ristum
Elenco: Rodrigo Santoro, Cauã Reymond, Débora Falabella, Anita Capriol, Paulo José, Eduardo Semerjian, Nicola Siri, Luciano Chirolli, Stephanie de Jongh.
Produção: Fabiano Gullane, Caio Gullane, Débora Ivanov, Gabriel Lacerda, Andre Ristum
Roteiro: Andre Ristum, Octavio Scopellitti, Marco Dutra
Fotografia: Hélcio "Alemão" Nagamine
Trilha Sonora: Patrick de Jongh
Duração: 90 min.
Ano: 2010
País: Brasil
Gênero: Drama
Cor: Colorido
Distribuidora: Imovision
Estúdio: Gullane e Sombumbo Filmes
Classificação: 12 anos

0 comentários:

Postar um comentário