1 de out de 2011

Missão Madrinha de Casamento


Há muito tempo eu não gargalhava tanto no cinema. Tinha lido que esse filme era tipo uma versão feminina de "Se Beber não Case", mas apesar de algumas semelhanças na situação (véspera de casamento), o tipo de humor é totalmente diferente. A atriz principal, totalmente desconhecida para mim, é sensacional, consegue imprimir dignidade, ternura e muito humor em várias cenas. O filme transita muito bem entre cenas absolutamente escatológicas (até um pouco de mau gosto, mas são poucas) e outras de humor mais suave, mas também consegue desenvolver emoção em temas como amizades antigas desafiadas por amizades novas (quem não se sente meio ameaçado quando seus melhores amigos aparecem com novos amigos), auto-piedade (sabe aquelas pessoas que ficam reclamando da vida mas não se ajudam) e até a indústria de cerimônias de casamento. Enfim, diversão de prato cheio, para boas risadas e boas emoções. Mas como disse o Rubens, humor é uma coisa muito pessoal e para mim funcionou.

Minha Cotação: * * * *




22 setembro 2011
Estreia – Missão Madrinha de Casamento
por Rubens Ewald Filho

http://noticias.r7.com/blogs/rubens-ewald-filho/2011/09/22/estreia-missao-madrinha-de-casamento/

Missão Madrinha de Casamento (Bridesmaids) EUA, 011.Universal.
Direção de Paul Feig. Roteiro de Kristen Wiig e Annie Mumolo.
Com Kristen Wiig, Maya Rudolph, Terry Crews, Rose Byrne, Jessica StClair, Jill Clayburgh, Michael Hitchcock. 125 min. Comédia.

Esta comédia nem ia ser trazida ao Brasil saindo diretamente em Home Vídeo. Até quando se deram conta finalmente de que não era apenas a comédia mais engraçada do ano, mas também um imenso sucesso de bilheteria nos EUA (com perto de US$ 170 milhões de renda para orçamento de 32). Isso explica porque o filme está chegando com certo atraso, mas sou da filosofia do "antes tarde do que nunca".

Vocês já perceberam que em geral as comédias têm como heróis figuras masculinas? Isto porque se supõe que os homens gostam mais desse gênero (tem gente mesmo que chega a dizer que mulher não tem muito senso de humor, veja que absurdo!), principalmente quando se trata de comédia assumida, do pastelão a pornochanchada. Mas as mulheres americanas não gostaram disso e tomaram a frente: o resultado foi esta comédia que transforma em estrela de cinema uma comediante sensacional que veio do Saturday Night Live, da TV americana. Ela se chama Kristin Wiig, com dois iis, e tem finalmente sua maior chance de brilhar. Chega mesmo a dar um show num papel difícil de uma garota que esta mal de grana e acaba fazendo tudo errado! Não sei como não prestei atenção nela antes (esteve no ainda inédito Paul, Entre Segredos e Mentiras, Uma Noite Fora de Série, o horrível McGruber, Maré de Azar, Ligeiramente Grávidos, mas o fato é que não teve até agora a chance que merecia, ela mesma teve que criar o papel para se consagrar).

Você vai se divertir muito com essa garota sem sorte que perdeu a lojinha de doces que tinha junto com o namorado e agora vai ser madrinha de casamento de sua melhor amiga. Eu me diverti muito também porque o filme tem a mão do consagrado produtor Judd Appatow, atual mestre do gênero que lhe acrescentou algumas sequências mais ousadas e mais pastelão. Uma delas é de chorar de rir, ainda que um pouco constrangedora, quando elas vão numa churrascaria brasileira fajuta (porque é mais barato) e comem alimentos estragados. O resultado é uma escatológica e imensa dor de barriga principalmente na noite, justamente quando vão escolher o vestido para a festa de casamento. Sem dúvida o mérito maior é das duas roteiristas, Kristin Wiig e Anna Mumolo, que inventaram as situações e ajudaram o reunir o elenco de grandes humoristas. Aliás, as duas também estão no filme, Kristin é a heroína central e Anna faz a passageira que está muito nervosa no avião. O filme consegue agradar a todos os públicos, sabendo alternar momentos mais delicados com outros de pura chanchada.

Ainda que a situação seja bem americana com a figura de Maids of Honor, que não temos bem o equivalente aqui, não é exatamente madrinha (ok, fica perto). No caso, a mulher rica do patrão do noivo quer oferecer uma recepção de luxo em sua mansão e tudo fica, portanto, mais caro para quem vai participar. Quem faz essas cenas é a australiana Rose Byrne (Damages), que se confirma com uma atriz charmosa e versátil. Não gosto muito da atriz que faz a noiva, Maya Rudolph (filha da falecida cantora Minnie Riperton e que estrelou Por Uma Vida Melhor eGente Grande) e o diretor e ator Paul Feig veio de séries de TV e filmes com crianças. Quem faz a mãe da heroína é a querida Jill Clayburgh, no que foi seu último filme.

Acho que não é preciso me alongar mais. Humor é uma coisa muito pessoal, tudo que sugiro é que experimentem esta comédia. Tenho a impressão de que vai ser sucesso aqui também.



FICHA TÉCNICA
Diretor: Paul Feig
Elenco: Kristen Wiig, Terry Crews, Jessica St. Clair, Maya Rudolph, Tom Yi, Elaine Kao, Michael Hitchcock, Kali Hawk, Joe Nunez, Rebel Wilson
Produção: Judd Apatow, Barry Mendel, Clayton Townsend
Roteiro: Kristen Wiig, Annie Mumolo
Fotografia: Robert D. Yeoman
Trilha Sonora: Michael Andrews
Duração: 125 min.
Ano: 2011
País: EUA
Gênero: Comédia
Cor: Colorido
Distribuidora: Universal Pictures
Estúdio: Apatow Productions
Classificação: 14 anos

Um comentário: